Sobre

Dez anos depois da Pensão Amor, inaugurada a 11 de novembro de 2001, abre o MEL – Museu Erótico de Lisboa, filho pródigo da Pensão Amor, um espaço onde a busca, o desejo, a motivação ou o impulso são apenas alguns dos passos do imaginário noturno e onde se pode terminar as melhores histórias do Cais do Sodré

Na entrada do MEL, os visitantes deparam-se com várias peças em gesso, da autoria do artista João Cruz Malheiro, sendo esta a primeira revelação de um espaço noturno de ambiente provocador. Estas peças devem ser quebradas numa prensa para delas se extrair um oráculo que pode ser a epígrafe para o que a noite nos reserva.
Dali, podem entrar num universo mais profundo por entre umas cortinas de veludo vermelho. Quem ousar entrar, pode usufruir de um espaço, que sendo de diversão, apela a todos os sentidos. Um espaço de magia que mistura o doce, o amargo, o picante e o nostálgico.
O interior apresenta uma simbiose entre as imagens oníricas e pintadas pelo artista plástico Diogo Muñoz, e outros elementos com destaque para a cadeira suspensa da autoria do artista Leonel Moura. E a noite no MEL promete, pois terá muitas surpresas… desde música, performances e outros espetáculos.

Se o universo é de apelar aos sentidos, não poderiam faltar as emoções ligadas à degustação. A gastronomia está sob a responsabilidade de David Joudar, com propostas gastronómicas com o twist perfeito para apurar os sentidos, e um segredo: aqui não existem talheres. Evy Silva é o bartender de serviço e a carta de cocktails promete ser ainda mais ousada do que na Pensão Amor.

No piso superior, uma sala exclusiva e com visão privilegiada para o espaço noturno vai estar disponível para pequenos eventos privativos de dimensões mais reduzidas, como jantares, festas ou simplesmente para usufruir da noite sob outra perspetiva.